29 de julho de 2008

Dos rascunhos da vida

Quando tenho algo para escrever mas, por variadíssimas razões, essas coisas não convêm serem publicadas, pelo menos até achar que é a altura certa de as dar a conhecer a alguém, gosto de escrever no rascunho do Gmail.

No fundo, ele funciona como um reservatório
de palavras, por vezes coordenadas outras vezes desconexas, que ficaram por completar, de sentimentos que estão por definir, de estórias à procura de um fim, de dedicatórias à espera "daquela" altura em que tanto necessitamos delas, de desejos secretos ou até de simples pensamentos comuns que estão à espera de um sopro para sacudir o seu pó.

Na vida também existem rascunhos. Rascunhos de gestos, de actos, de olhares, de sorrisos, de emoções. Por vezes, nada melhor do que descartar alguns rascunhos na nossa vida para que não possamos depender deles para sempre. Apagar os esboços, voltar a deixar a folha em branco e esperar, pacientemente, que a inspiração
nos venha abençoar novamente para podermos preencher esse vazio que fica.

Noto que ando a rascunhar muitas coisas na minha vida. E concluo que, talvez, seja tempo de deixar os rascunhos e começar a construir algo. A sério. E definitivamente.

6 comentários:

Maria del Sol disse...

Tenho a certeza que é uma questão até esses rascunhos ganharem forma. O tempo de "pousio" também tem a sua utilidade, serve para arrumar a cabeça e assentar os pés no chão. :)

Desejo-te um bom mês de Agosto, daqui a umas semanas estou de volta.

Beijinhos!

Tânia disse...

Já dizia Fernando Pessoa que quem quase morre ainda está vivo mas quem quase vive já está morto.

Às vezes é preciso ter coragem para dar um passo em frente, mesmo que seja no escuro. Contra mim falo, sou a pessoa mais idealista e menos concretizadora do mundo.

Mas se precisares de um empurraozinho meu, eu dou-te! ;)
O texto está bonito, lá isso está :)

Beijinho ****

desnorteada disse...

para quê que queres os meus textos, se escreves desta forma?! :) sou uma amiga virtual desnaturada... mas o tempo tem-me faltado até para escrever aqui... mas tenho espreitado sempre o teu cantinho! ;) O que escreveste aqui senti que podia ser um desabafo meu. Obrigada por isso! :)
Beijinhos

P.S.: Hoje foste citado no jornal O Jogo... página 5! Não te conheço pessoalmente, mas fiquei feliz como se fosses um dos meus amigos do dia-a-dia! :)

Menphis disse...

maria del sol- é verdade, por vezes os textos necessitam que os abandonem para depois voltarmos a pegar neles e dar-lhes uma roupagem melhor. Boas férias e diverte-te muito e vou cumprir a minha promessa, vou te mandar um sms a desejar-te boas férias :)beijinhos

Tânia - O Pessoa compreendeu muito mais da vida do que todos nós. E quando necessitar de um empurrão eu digo-te algo :)beijinhos

Desnorteada - Eu sei que andas por aqui (o Sitemeter diz-me ;)) e calculei que andasses muito ocupada com o teu trabalhinho. Mas continuo a ter saudades dos teus posts :) O que sentiste neste meu post já eu senti várias vezes nos teus posts.

Quanto a ser citado no jornal Ojogo, é o "preço" de ter a sorte de escrever num blog que é dos mais visitados dos blogs do FCP ( senão o mais visitado ). Já não é a primeira vez que publicam coisas minhas ( o JN numa altura era quase todas as semanas), mas foi a primeira que puseram o meu pseudónimo. Mas...um texto tão grande que escrevi e tinham de publicar eu a dizer mal do Quaresma :)Fico orgulhoso pela tua satisfação.

E, já agora...quanto a conhecermos-nos pessoalmente, temos de combinar um cafézinho para resolver isso ? Alinhas ?

Carla disse...

Ainda hoje deixei um rascunho no gmail...
E enviei-o mais tarde:)
Mas eu sou doida...

Acredito na concretização.
Rascunho para pensar, mas faço sempre... ou quase :)

desnorteada disse...

Claro que sim, Menphis! :) É só agendarmos... ;) Também já me tinha passado isso pela cabeça... afinal andamos os dois pela mesma cidade! :)