20 de janeiro de 2017

6ª feira musical


Esta é dedicada à Magda e ao Gabriel  que ontem deram ao Mundo mais uma Salomé. Parabéns, amigos.

19 de janeiro de 2017

" A morte de um apicultor"

Que livro belíssimo. Tão breve como intenso. Tão incomodativo como um ferrão de uma abelha, como doce como o mel. " A morte de um apicultor" de Lars Gustafsson foi o primeiro livro que li deste autor sueco, falecido o ano passado, e deixa curiosidade para que consiga embrenhar ainda mais na sua obra literária. 

É o espectro da morte, da sua recusa primeiro e depois da sua aceitação, que habita em todo o livro, e na forma como um homem com doença terminal lida com o seu fim. Ou talvez seja da força de viver, sem cair em dramatismos ou lamechices de livros de auto-ajuda.

Para compreendermos melhor a trama, vamos lendo os diários que a personagem principal mantinha durante a sua fase terminal. Após a recepção e recusa de abrir uma carta, na qual poderá constar o veredicto da sua doença, ele escolhe viver perante a inevitabilidade do seu fim.

“Se esta carta contém a minha morte, recuso-a. Não devemos querer nada com a morte. Tive a sorte de aprender isto muito cedo, e é algo que me tem sido útil ao longo da vida.
Após essa recusa acompanhamos o seu caminho para o seu fim, ao mesmo tempo que vamos sabendo de algumas das suas recordações mais determinantes na sua vida, sempre escrito de uma forma simples mas desarmante. 
Um livro pequeno no tamanho, que se lê de forma breve e aconselhável a todos.

“Aquilo que aprendi: não existe uma verdadeira saída para a vida. A única coisa que podemos fazer é adiar a decisão para o dia seguinte, com um pouco de habilidade e astúcia. Mas não há saída. Trata-se de um sistema fechado, e, no fim, só resta a morte. O que não é, de todo, uma saída.”

PS: O livro que li foi da edição ASA, não o da imagem.

18 de janeiro de 2017

Da linha entre a dor e o desejo

“É incomodativa a parecença entre a dor e o desejo. Ambos monopolizam toda a atenção, nada mais existe, como uma mulher amada. São capazes de apagar tudo, as notícias, o tempo lá fora, as mudanças na natureza, até a angústia. É um reino onde impera uma verdade definitiva.” in " A morte de um apicultor " de Lars Gustafsson

12 de janeiro de 2017

Meryl Streep a falar de nós

Nos últimos dias as redes sociais encheram-se de partilhas sobre o discurso, fantástico diga-se, da enorme Meryl Streep, aquando da sua coroação na entrega dos prémios Grammys. Apesar de ser  particularmente dirigido a uma pessoa em particular, no caso a Donald Trump, acho que  "fala" muito do que nós nos estamos a tornar. Como pessoas, mas também como consumidores dos media.

"O desrespeito convida ao desrespeito " disse a uma certa altura Meryl Streep. Penso que essa será a frase-chave daqueles minutos preciosos que merecem  toda a nossa atenção. É só ler as redes sociais e ver o "tratamento" que muita gente deu à morte de Mário Soares. E muitas das queixas eram do género " isto está sempre a dar na televisão." Que vidas tão ocas devem ter essas pessoas para se queixar do que dá na tv, quando podem trocar de canal. E de observar as reacções mais ou menos inflamadas contra os refugiados, ou até quando se organizam "autos-de-fé" sobre qualquer pessoa devido a uma opinião/afirmação/atitude/etc.

Mas também bate sobre um ponto fulcral da nossa sociedade: a imprensa. Estamos a viver um tempo em que a imprensa está a mando de grupos financeiros poderosos, cuja influência na opinião pública, quer social quer politicamente, está a ser determinante para algumas situações negativas que tem vindo a acontecer. E é bom que nós, como leitores, estejamos atentos a isso.

Um discurso corajoso de uma mulher cujo talento não se limita aos ecrãs. Obrigado Meryl Streep. Precisamos de mais vozes dessas. 


10 de janeiro de 2017

1 ano sem Bowie




Ouvi pela primeira vez a canção "Lazarus" no metro naquela manhã em que Bowie tinha desaparecido no mundo dos vivos. As lágrimas vieram-me logo quando ouvi os primeiros versos: 


Look up here, I'm in heaven

I've got scars that can't be seen

I've got drama, can't be stolen
Everybody knows me now

Disfarcei o choro, pus pause na canção e acomodei a minha tristeza no silêncio daquela manhã fria tentando ler um livro.

Não foram as minhas primeiras lágrimas por um ídolo, a vida passa, nós crescemos e perdemos os nossos ídolos nesta caminhada, e comecei a perder muito cedo ídolos quando vi Kurt Cobain sucumbir a um vicio terrível, mas deve ter sido a primeira vez que tive a sensação que a minha vida, a nossa vida, não iria ser a mesma. 

Acho que mudei um pouco o meu ser aquando do desaparecimento de Bowie, foi um pedaço forte da minha vida que desapareceu, foram sonhos, desejos, palavras que me disseram coisas, que me mudaram, que ainda mudam hoje que desapareceram sem me preparar para isso. 

Bowie hoje faz um ano que desapareceu fisicamente e que ganhou lugar na eternidade. Faz-me muita falta. E ao Mundo também.

9 de janeiro de 2017

Recomeçar

Na vida temos, por vezes, fazer novos recomeços. Recomeçar novas coisas, reavivar sonhos, desejos, projectos, concretizar o que ficou esquecido lá atrás. Voltar a pegar em coisas velhas, abandonadas, sacudir o pó, rever prioridades e avançar rumo a uma concretização diferente do que nos levou a abandonar essa coisa. Hoje, farto de muitos adiamentos, resolvi recomeçar a escrever no blog. A voltar a partilhar os meus desejos, os meus sonhos, as minhas angústias, as minhas ansiedades, os meus gostos. Sintam-se tentados a recomeçar a voltar a ler-me.