31 de dezembro de 2007


Sendo assim, despeço-me deste ano, sem promessas, mas com desejos a todos que tenham um FELIZ ANO NOVO com muita saúde, muitas coisas boas, muita paz, muito amor, e que todos os vossos desejos e esperanças se realizem. FELIZ 2008

30 de dezembro de 2007

Estive para fazer um post interessante, daqueles posts interessantes, nos quais sobreponho imagens sobre imagens, todas elas muito giras, e dou o título pomposo, e original, de " imagens de 2007".

Desculpem, estou a ser mentiroso, eu fiz isso, peguei em várias imagens e comecei a fazer tipo um puzzle, com os álbuns que me marcaram durante este ano, as séries televisivas e os filmes mais interessantes que vi, uma peça de teatro que adorei ir ver, uma foto do meu novo carro, três imagens referentes ao meu clube, capas de livros marcantes, estava tudo lá, muito bem organizado.
Acho que até estava giro, mas, ( já vos disse que eu era um pouco despassarado ?), fiz aquilo num documento word e quando chegou a altura de o postar, verifiquei que não dava, que era preciso transformar aquilo num ficheiro de imagem.

No entanto, enquanto estava a fazer aquilo, vi que faltava muitas outras imagens, de muitas outras coisas, que me marcaram durante 2007 .

O tempo está, cada vez mais, a passar depressa, a velocidade a que estamos a viver é duma forma tão rápida e tão intensa, que nem conseguimos gozar os momentos bons, ou nem temos tempo de curar as feridas. E depois passamos por tanta coisa, durante um ano, e tudo nos é apresentado duma forma tão intemporal, que nem nos apercebemos que aquele filme que vimos ou aquele livro que lemos foi este ano, pensamos que já foi à muito tempo atrás.

No outro dia, disseram-me " ei, cara, o tempo passa por nós que nem bala, nossa senhora ", e é mesmo verdade, só espero que quem tenha a pistola ponha um retardador para gozarmos com mais calma o próximo ano.

Amanhã, todos diremos " mais um ano que passou ", todos nos sentiremos mais velhos um bocadinho, mas, será que estaremos sempre preparados para esta toda urgência de viver, de conhecer coisas novas, de acompanhar este desenvolvimento efémero, não se podia pôr um bocadinho de "slow" nisto, de deixar de viver em " fast forward" ?

Eu adoro conhecer coisas novas, sou curioso por natureza, gosto de me informar, de saber as novidades que se passa no mundo, mas, ás vezes, viver a esta velocidade cansa.

PS: O documento com as imagens ainda continua na pasta, à espera de ser eliminado, no entanto, se alguém me quiser dar conselhos como transformar aquilo em ficheiro de imagem, agradeço.


29 de dezembro de 2007

Para animar este fim de semana, nada melhor do que


FAMILY GUY...delicioso.
Releio várias vezes o meu post anterior e, sinceramente, não sei o que dizer.
Vejo que está ali alguém que, apesar de estar satisfeito e feliz com aquilo que conquistou, está tremendamente inseguro com aquilo que falta conquistar, ou que deseja conquistar no seu futuro. O pior disso tudo é que não sabe bem porquê está assim, portanto, está envolvido numa tremenda confusão.

Enfim...venha de lá o outro ano, depressa, para ver se deixo esta fase para trás.
Nesta altura do ano, quase toda a gente olha para trás fazendo uma reflexão daquilo que foi feito , ou daquilo que ficou por fazer, no ano que está no fim.

Sinceramente, não me apetece muito olhar para trás, não porque o que deixei para trás foi mau, muito antes pelo contrário, mas sim porque o que quero não está atrás, mas sim ali, bem à frente e é, como diz outro, " caminhando se faz o caminho".

Interessa-me mais caminhar, com passos seguros, olhando em frente, tentando ter várias experiências de vida, mesmo que algumas delas sejam erradas, porque é com os erros que vamos aprendendo e crescendo como pessoas.

Posso dizer que tive um ano muito bom, e a partir de uma certa data parece que a vida me começou a brindar com coisas boas. Foi 2 dias antes do meu aniversário, quando recebi a noticia que iria fazer parte do quadro da empresa onde trabalho, e que, a partir daquele momento a base para que o meu futuro seja mais sólido, mais tranquilo, mais seguro, estava a ser construída como eu gosto, passo a passo.

Parece que foi um bom presságio para o que veio acontecer, no plano pessoal, neste último semestre, fiz algumas amizades com gente bonita, simpática e amiga, fiz uma dieta que me proporcionou, acima de tudo, estar bem comigo próprio e isso deve-se notar porque também comecei a relacionar-me com as outras pessoas doutra forma, penso que até tive mais mudanças na minha forma de ser do que no meu corpo, lá diz o povo " mente sã, em corpo são", agora sou mais paciente com os outros, mais calmo, muito mais extrovertido do que era, se bem que continuo o mesmo despassarado e inseguro de sempre, incapaz de dar o primeiro passo porque tem medo de se magoar, ou citando o post do blog da Tânia, ás vezes sinto-me mesmo como o Wally perdido na multidão, continuo a ter os mesmos defeitos, como toda a gente, mas penso que estou diferente.

Além disso, tive outras mudanças materiais, tais como um carro novo, que me fizeram feliz, se bem que isso é o menos na vida, porque o que levamos deste mundo são os sorrisos, as amizades puras, o amor, o ódio, as alegrias, as tristezas das pessoas que gostamos e o conhecimento de tudo aquilo que nos rodeia.

É claro que ficaram muitas e muitas palavras por dizer, imensas coisas para fazer, outras coisas que poderia ter feito/dito doutra forma, coisas para construir e outras para reforçar, sonhos que ficaram por caminho, outros que ficaram em suspenso, ainda me faltam tantas coisas, coisas que em 2008 poderei mudar ou conquistar, mas, enfim, não me posso queixar daquilo que 2007 me trouxe, apenas desejo que 2008 seja a continuação deste último semestre, já não digo melhor, pelo menos, igual, o que já não é mau, nem é pedir muito, porque tenho a consciência que existem muitas mais pessoas com piores razões de queixa do que eu.

PS: Releio o texto que escrevi, pensei muitas vezes em não publicá-lo, ficar perdido nos rascunhos, e até pensei em não aceitar comentários, mas resolvi, à ultima da hora, aceitar.
Esta indecisão devia-se, sobretudo, ao meu grande defeito, de ser inseguro, achei que as pessoas pensassem ,ao ler isto, entre outras coisas, " olha-me este convencido, a dizer que é melhor pessoa", ou que pensem que isto é uma propaganda à minha pessoa, mas não faço planos de ser politico, nem de ir a eleições.
Quem me conhece mais pessoalmente, e lida comigo muitas vezes, sabe que mudei, espero que seja para melhor, pelo menos tentei e faço por isso.
Todos os anos nesta altura, assim como no dia do meu aniversário, gosto de fazer um pequeno balanço da minha vida, e achei, por bem, antes de escrever num diário, preferi fazê-lo no blog, que é como se fosse o nosso diário, mas com mais público, mesmo que seja 7/8 pessoas.
Interpretem este meu post como uma conversa em voz alta com o meu espelho que reflecte, não a minha imagem, mas sim os meus sentimentos e pensamentos, ou então como um desabafo entre amigos .
E como sou um inseguro dos diabos já estou com a sensação de que as pessoas interpretem este PS como sendo falso, mas não é, acreditem, foi do fundo do coração que saiu isto tudo. E mais sairia se tivesse coragem de dizer outras coisas. Ou isso, ou estou a passar aquela fase do Wally que a Tânia falou, que é o mais certo.

27 de dezembro de 2007

"De la musique avant toute chose" ( I )


" Não sei se em Marte existe, existirá, ou se alguma vez existiu vida. Certamente, seria uma vida chata, eles lá não devem ter sinais electromagnéticos, ou, se calhar, não devem saber descodificar essas ondas e transformá-las em ondas sonoras, ou digitais ou analógicas, ou todas essas coisas complicadas que nunca pensamos que existe quando ouvimos uma música numa rádio.

Não foi através da rádio que descobri esta canção, mas sim através da imagem, de uma imagem reflectida num monitor do meu computador.
Aquela pequena luz, que se aproxima para bem perto de nós e nos começa a envolver, é uma imagem belíssima, parece um planeta, não sei se é Marte ou se é outro, a chamar por nós.

Depois ouvimos aquele som, aquele som infantil, que nos faz recordar aquelas caixinhas de música que tanto apreciávamos quando éramos pequenos.

De repente, oiço a primeira frase " It's a God awful small affair
/To the girl with the mousey hair " e sinto que, afinal, é mesmo para um planeta que aquela música me quer levar. Aquela voz, em falsete, maior do que tudo, leva-nos para um planeta distante, belo, elegante, intenso, puro, arrepiante.

Fecho os olhos e deixo-me ir naquela viagem e não quero sentir que ela irá terminar, quero descobrir como é a vida naquele planeta e deixar-me levar."



( versão da música " Life in Mars" de David Bowie, interpretada por Neil Hannon(dos The Divine Comedy) e Yann Tiersen. Agradecimento especial à Maria del Sol por me ter dado a conhecer esta música.)



" De la musique avant toute chose"

A cada dia que passa torno-me adepto desta máxima do poeta Paul Verlaine, apesar de ser um fanático por livros e tudo em seu redor, ( no mesmo poema ele diz"...e tudo o resto é literatura), de ser um seguidor curioso de tudo o que se faz, e como se faz, no cinema, e de acompanhar, umas mais do que outras, todas as outras formas de expressão artística, relativamente à musica, sou um megalómano .

A maneira como se descobre música , mudou muito desde os meus tempos da adolescência até agora, o mais curioso de tudo é que a minha adolescência não foi assim à muito tempo atrás.

Recordo-me das discussões musicais, em tempos de escola, enquanto líamos o " Blitz", das compilações feitas por K7, como se tivéssemos a fazer um programa de rádio, o trabalho a carregar no "rec" e depois ouvir atentamente quando a música terminasse para carregar logo no "stop", de ficar todo contente porque a passagem de uma música para outra foi feita sem saltos, de ficar revoltado com os locutores porque eles falaram por cima da música, etc.
Nada melhor do que ler o livro " Alta Fidelidade" de Nick Hornby, sem dúvida um dos livros, e filme também, da minha vida, porque me revejo completamente nas suas personagens.

Hoje, em tempos de megabites e gigabites, a música que não se gosta coloca-se na pasta " reciclagem", e elimina-se os ficheiros para não ocuparem espaço no pc, antigamente gravava por cima, quando arrumei a minhas k7 no sótão fiquei com o coração destroçado, estava a fechá-las na caixa e a recordar velhos momentos de "maluquice ", dirão uns, mas eu diria de paixão a uma coisa, neste caso à música e a tudo o que ela nos transmite.

Lembrei-me disto tudo, quando me aconselharam que descobrisse uma música no Youtube, quando antigamente me gravavam numa k7. Agora é mais fácil e muito mais rápido podermos conhecer tudo do autor/interprete, o que de certa forma é muito melhor, mas perde-se aquela magia da descoberta.

A partir de agora, cada vez que postar aqui uma música, esta frase será o título, como se a música em si provasse que Verlaine tivesse razão e será acompanhada com um texto, meu ou de outro autor.

26 de dezembro de 2007

The dream come true

24 de Dezembro de 2007 às 22 e qualquer coisa, em minha casa.

Início da distribuição das prendas, o mais pequeno entusiasma-se e começa à procura das suas prendas, nascem os sorrisos e agradecimentos, beijos e cumprimentos trocados, um piscar de olho cúmplice,

- esta é a última, esta é a última. Não abras já esta.


o chão começa a ficar cheio de papel de embrulho, uma confusão imensa, todos falam alto, muitos sorrisos

- Para quê foste gastar dinheiro nisto ?

- Oh...Vê lá se te serve.Vê se te fica bem .

a última prenda sempre a ser afastada.


- Esta não ! Já te disse, é só a última.


- Mas para quem é isto ? É para o miúdo ?


Recordo-me da minha infância, da ansiedade para abrir as prendas e do sonho em receber um Playmobil,
( era louco por Playmobil e em construir coisas, qualquer dia lembro-me que tenho de construir uma vida ao lado de alguém...),

- Olha papá, fiz esta casa. Gostas ? Agora vou fazer outra.


ou um carro telecomandado,

- Vês, vês. As rodas levantam e giram, olha, olha
.

ou aquele rádio com microfone incorporado que dava para imitar os relatos que ouvia

-Aqui, em directo do Estádio das Antas, o FCPorto está a ganhar com um golo do Madjer ( sempre o Madjer ), o homem do calcanhar de Viena, por 1 a 0 .


percorro os olhos e vejo uma caixa grande, um sorriso lindo e largo,


- Pega. Esta é para ti.

- Para mim !!!??? Mas...mas já me deram. O que vocês foram comprar ? - digo eu, embaraçado.

As mãos gelam, a caixa pesa um bocadinho, começo a desembrulhar, o mundo começa a andar mais devagarinho, quase a parar, e as pernas começam a perder forças

- Tu queres ver que...não me digas que vocês...

começo a desembrulhar tudo, a tirar o laço cuidadosamente, as palavras começam-me a faltar e de repente fico sem reacção, o mundo pára, quando vejo isto

começo a pensar neste pedido,

- será que eu mereço isto ? será que irei merecer isto ?

as palavras não me conseguem sair, fico envolvido num turbilhão de sentimentos,

- para quê vocês gastaram tanto dinheiro nisto ? Eu ia tentar comprar isto. E eu já a programar naquilo que ia comprar com os cheques-prenda.

de repente, fui criança outra vez, voltei aos meus tempos de infância, dou dois beijos de agradecimento aos melhores pais do mundo, não porque me deram isto, porque os filmes duram apenas 4637 minutos, mas porque o meu amor por eles, e o amor deles por mim, durará toda uma eternidade.

23 de dezembro de 2007

Desejo a todos um FELIZ NATAL com muita paz, saúde, que os sorrisos de alegria façam parte da festa e que o Pai Natal lhe tragam muitas prendinhas boas. Um grande beijo e abraços para todos.

Adenda importante para a minha reputação sobre esta fotografia: por baixo do fato de Pai Natal, tinha vestido 2 camisolas, um pijama e um robe, o que originou, além de um Pai Natal muito mais volumoso, que passados 5 minutos estava com a cara completamente vermelha com o calor, facilmente comprovável com outras fotografias. Até dava um ar de Pai Natal que tinha vindo directamente da Lapónia, com luvas, depois com óculos e tudo. Brincadeiras que, infelizmente, este ano não irei repetir. A menina, a minha prima mais pequenina, que foi o motivo para isto, não estará cá :(


22 de dezembro de 2007

Isto faz-me lembrar alguma coisa


20 de dezembro de 2007

Planos para 2008


" Os melhores sketches dos Monty Python" no Coliseu do Porto entre 19 a 23 de Fevereiro


Lou Rhodes na Casa da Música no dia 1 de Março

18 de dezembro de 2007

Cold cold night



e não é que agora o meu nariz deu numa de termómetro e fica vermelho quando está frio ?
Em relação ao post anterior estou um pouco mais animado. Já tive noticias dele, começou a quimioterapia, está a correr bem, se é que uma quimioterapia corre bem, e têm falado com ele, mostrando-se cheio de coragem, embora um pouco abatido, o que é compreensível.

Prometeram-me passar o telefone quanto falassem com ele, o que me fez animar mais o dia e estou ansioso por lhe dar uma palavra de apoio.

17 de dezembro de 2007

A música ecoa nas colunas mas nem tomo a atenção ao que está a dar, tal é a concentração com que estou a trabalhar, digamos que estou entretido a trabalhar, que é uma forma menos chata de se dizer que estou a trabalhar.

De repente, oiço, ao longe, a sua voz forte a chamar-me, a pedir a minha atenção por um momento. Saio da cadeira, tenho mais um ataque de tosse que nestes dias me persegue como se fosse algo já meu, e chego ao pé dele com a expectativa do que me vai dizer :

" Sabes, o Artur do Antendimento ? " - pergunta-me com voz triste.
" Sei, o meu amigo Artur. " - acrescento eu, sorrindo.
" Eh pá, o João Miguel disse-me, mas olha que isto não se pode falar lá na sede, que ele tem cancro...nos pulmões...uma pessoa tão educada, tão simples...ah, e nunca fumou na vida dele. "

" Nunca fumou na vida dele", essa frase fica-me na memória enquanto olho para o cinzeiro cheio de cigarros apagados de quem me deu a noticia. Uma frase assim dita daquela maneira tão cruel. Como a vida é irónica. E injusta, sim, muito injusta.

Pensei nele, e recordei-me daquilo que eu conheço melhor, da sua voz aveludada e quente sempre simpática e disponível para ajudar, na sua afirmação quando percebia que era eu que estava no outro lado do telefone

( - Então, como vais, meu malandreco ? )

enquanto eu me desfazia em sorrisos e perguntava-lhe se estava tudo bem com ele.

Recordei-me de o convidar para um almoço juntos e mostrar-lhe a cidade, os seus segredos e os cantos onde me perco

( - Então, quando vem ao Porto ? Tem de provar as francesinhas ?
- Eiiiii...Aos anos que não vou aí. Francesinhas ? Que é isso ?)

e eu explicava-lhe o que era, que a francesinha só é boa se estivéssemos acompanhado por loirinhas e ele dizia

( - olha que malandreco, tu me saíste. Por loirinhas ?
- bem, eu falava das loirinhas, mas daquelas que é de beber, mas eu não me importava de estar acompanhada por outras loirinhas que fala. Afinal, nesta história, estou a ver que o malandro não sou eu . )

e sorriamos os dois juntos como se fôssemos duas crianças.

Recordo-me de estarmos um bocado a falar da nossa vida, dos seus filhotes, da sua terra natal tão longe no mapa, mas sempre perto do coração, de me dizer que aquilo era lindo, que tinha imensas saudades de lá, do calor tropical, da comida maravilhosa, de tudo

( - Um dia que possas vai lá. Cabo Verde é lindo, sairás mais inspirado. Sonho, um dia, ir para lá.)

e eu sonhava juntamente com ele como se o sonho também me pertencesse.

Recordo-me daquela manhã de calor sufocante que o vi pela primeira, e única, vez, entrei no gabinete acompanhado do chefe, senti logo o carinho de todos e ele deu-me um abraço especial.

( - Então, malandreco. Vieste conhecer a malta ? )

ele piscava-me o olho, eu sorria timidamente com tanta atenção centrada em mim, nem sabia o que lhe dizer.

Recordei-me de vários diálogos a dois antes de passarmos para os assuntos de trabalho, dos conselhos que me dava, das coisas que eu lhe dizia misturadas com um sorriso, o que o levou a apelidar-me, carinhosamente, de " meu malandreco ".

Fiquei mudo perante o que o meu chefe disse, pensei na frase , "...olha que isto não se pode falar na sede ", e senti-me impotente. " Porquê não posso falar nada na sede ?", apeteceu-me perguntar. Porquê não posso perguntar apenas o número de telefone dele para lhe dar apenas uma palavra de força, para voltar a fazer-lhe o convite, ou apenas para voltar a ouvir a sua voz aveludada e cheia de amizade e simpatia.Que terrível vicio de esconder as doenças como se isso fosse algum crime ou um caso de vergonha.

Voltei para o meu lugar triste. Pousei os olhos no telefone e apeteceu-me telefonar logo aos meus outros colegas para saber dele. Mas como será que ele reagia ? Será que não me levará a mal ? Será que não gostaria ? Dúvidas assaltam-me, mas um dia, talvez quando tiver coragem, farei isso e falarei com ele nem que seja para voltar a ouvir a chamar-me por " meu malandreco "

Entretanto, tenho mais um ataque de tosse e penso "que porra de tosse é esta ? Que tosse é esta ? Quero lá saber da tosse, isto não é nada comparado com aquilo que o meu amigo Artur tem."

Estamos sempre a nos queixar, mas temos de pensar que existe alguém sempre pior do que nós, mas que, por vezes, possui uma força maior do que pensamos existir.

Mesmo que saiba que, se calhar, ele nunca irá ler isto apenas digo " força amigo, estarei a torcer por ti, mesmo que seja silenciosamente."

15 de dezembro de 2007

Predadores - plural de predador do Lat. praedatore
adj. e s. m., Zool.,
animal ou designativo de animal que ataca outros, destruindo-os. ( in Dicionário On-line Português )




Acabei de ler o livro " Predadores", e aconselho-o vivamente a que o leiam para perceberem alguns meandros políticos da sociedade actual, mais concretamente da sociedade angolana, mas que bem podia ser da sociedade mundial, assim como ver até onde vai a crueldade, a injustiça e a safadeza do, chamado, " novo-riquismo", no caso particular de um politico, mas facilmente reconhecível também nas outras pessoas em geral.

Acompanhamos a história de um homem, José Caposo, mais tarde irá mudar o seu nome para Vladomiro Caposo para soar mais " revolucionário " aos olhos dos guerrilheiros comunistas que conseguíram o poder, que na altura da revolução em Angola, decide mudar de vida transformando-se, à medida que os anos vão passando, num "predador" caçando, usando, ferindo e até matando quando foi preciso as suas "presas" sempre em proveito próprio, enriquecendo e tornando-se numa das pessoas mais influentes de Angola durante os últimos 30 anos.

A corrupção, as amizades obscuras, as influencias de poder numa Angola cheia de riquezas naturais, a submissão da comunicação social aos políticos poderosos, a miséria daquele país africano contrastando com a riqueza dos seus governantes é aqui retratada de uma forma pura, dura, realista mas fascinante.

A primeira sensação que fiquei quando comecei a ler este livro é que a maneira de escrever de Pepetela me fez recordar um autor que eu adoro, basta dizer que foram os seus livros que me reavivaram o gosto pela leitura, Jorge Amado.
Provavelmente foi uma das maiores influências de Pepetela para a escrita deste livro, tal é a forma como são parecidos, reconheci a sua devoção pela sua terra de origem, a doçura das palavras quando fala em amor e até a crueldade dos poderosos são equivalentes, mas isso não é nenhuma critica, antes pelo contrário, fiquei a gostar muito da escrita de Pepetela e estarei atento às suas obras. Para ler, urgentemente, para vermos e percebermos melhor o mundo daqueles que nos governam.

13 de dezembro de 2007

Ele resiste

Sem dúvida, existem noticias inspiradoras de pessoas que conseguem passar os seus maus momentos pensando na sua família, nos seus amigos ou até nos seus animais de estimação .
Outros há que gostam de recordar momentos através de canções que os inspiram e conseguem se libertar de todos os complexos de inferioridade e até usam essas mesmas canções para lhes darem força e coragem para viver certos momentos e vencer na vida.

Esta semana fiquei intrigado quando li esta noticia. O guarda-redes da selecção do Socolari, aquela personagem que gosto de tratar por Calimero lesionou-se gravemente num joelho mas aguentou até ao fim do jogo porque cantou, durante o tempo que restava para a partida terminar, a versão da música de Gloria Gaynor " I Will Survive", canção essa que o transformou numa pessoa capaz de aguentar todas as adversidades, todos os complexos de inferioridade que tem, e as imensas dores no joelho que o impediam de fazer uma partida normal, como por exemplo, sofrer muitos golos já que a posição no campeonato da sua equipa não é lá muito famosa.

Segundo consta, não parece que o tenha tornado melhor guarda-redes, mas isso agora não interessa para nada, o que interessa relacionar é esta música ao momento de força do guarda-redes preferido de Socolari.

Numa pesquisa que fiz, foi curioso constatar que esta música inspirou também algumas pessoas por este mundo afora a saírem do armário e virem para a rua de peito feito, cabeça levantada, e outras partes do corpo empinadas, orgulhosas de serem aquilo que são e prontas para combater todo o preconceito que as cercava.

Mas para perceberem melhor as pessoas que esta música inspira, é favor ver este vídeo para perceberem aquilo que estou a dizer. Curioso verificar é que o tom de voz tão fininho faz-me lembrar alguém. Quem será ?

12 de dezembro de 2007

Ás vezes, outros dizem aquilo o que gostaríamos de ter escrito

" Desperdiçamos tudo demais. O tempo escorre-nos pelos dedos e olhamos sempre para a mão errada. Desperdiçamos tempo, energia e possibilidades. Andamos perdidos a maior parte do tempo e só nos apercebemos disso quando o tempo já passou...

É urgente criar acção para que haja reacção.


Temos que fazer mais, mais alto, mais forte. Ler mais livros, ouvir mais músicas, fazer mais amor, correr mais depressa, sorrir mais vezes. Perder o medo de caír no rídiculo, saber que tudo é efémero, compreender que uma hora pode valer um dia, que um dia pode passar como uma hora, mastigar crú, bater no fundo, magoar a pele, ferir as mãos, olhar de frente para o sol, abraçar, beijar, abraçar, empurrar. Temos que ouvir mais pessoas. Temos que provar coisas diferentes, queimar a língua, dançar à chuva, apanhar constipações, aprender as regras, quebrar as regras, criar as regras, criar novas réguas, tirar novas medidas, construir novas bússolas e perder o norte. Temos que sair do conforto da casca e dar tudo por tudo e saber que vai valer a pena mesmo que não funcione porque não há nada mais saboroso do que dar tudo por tudo. Temos que sentir mais o medo da possibilidade de errar. Temos que errar mais. Muito mais. É a única forma de garantir que estamos a evoluir, a tentar e a descobrir. É a única forma de garantir que que estamos no bom caminho. " ( Carlos Moura no seu blog )

É favor ler o post todo, em forma de desabafo, aqui.

11 de dezembro de 2007


Deu na RTP2 um interessantíssimo documentário sobre o espectáculo " Cirque du Soleil presents Beatles in Love".

O espectáculo, que foi uma ideia inicial de George Harrison e ainda continua a ser representado em Las Vegas, consiste em juntar dois universos diferentes, ou seja, a inesquecível música dos The Beatles, mais concretamente o álbum " Love", ao universo encantador do Cirque du Soleil, criando momentos mágicos aos olhos dos espectadores que assistem maravilhados àquilo tudo.

O documentário revelou imagens do espectáculo e dos ensaios, declarações dos produtores, encenadores e dos autores do mesmo e dos Beatles Ringo Star e Paul McCartney , além das viúvas dos outros dois, assim como mostrou como foi a produção do álbum " Love", a cargo de George Martin e do seu filho Giles Martin, com curiosidades muito interessantes que se passaram aquando do "nascimento" do mesmo.

Mas o que fiquei mais curioso foi ver mesmo a interpretação do espectáculo, tenho pena de não existir nenhum DVD com a filmagem completa do mesmo, isto claro, já todos sabemos que é impossível que um dia o possamos ver no nosso país.

Se quiserem ver uma pequena amostra do mesmo é favor carregar na imagem, mas o documentário valeu a pena, principalmente, para relembrar as músicas dos The Beatles e de percebemos o quanto actuais elas ainda são. Como é caso desta música maravilhosa






" I look at you all see the love there that's sleeping
While my guitar gently weeps
I look at the floor and I see it need sweeping
Still my guitar gently weeps

I don't know why nobody told you
how to unfold you love
I don't know how someone controlled you
they bought and sold you

I look at the world and I notice it's turning
While my guitar gently weeps
With every mistake we must surely be learning
Still my guitar gently weeps

I don't know how you were diverted
you were perverted too
I don't know how you were inverted
no one alerted you

I look at you all see the love there that's sleeping
While my guitar gently weeps
I look at you all
Still my guitar gently weeps "

9 de dezembro de 2007





Eu portar-me mal..pfff...se apanho quem fez este teste nem sei o que lhe faço.

''Tás a ficar grandinho...

Eu sou um rapazinho, embora pequenino
Tenho muito tino

Sou o Ruca

Tanta coisa p´ra aprender
Novidades para ver
É tão bom crescer

Sou Ruca

O meu mundo gira está sempre a mudar
Mas a mãe e o Pai estão cá para p´ra ajudar
Que giro olha bem p´ra mim

Achas sou chinfrim
Que giro é mesmo assim

Sou o Ruca
Ruca, Ruca, Sou o Ruca

Ha, ha, ha,
Sou eu. ''

7 de dezembro de 2007

Prenda de sonho

Ao abrir o site da Fnac deparei-me com isto :

uma caixa, tipo caixa de sapatos, que tem todos os episódios, de todas as temporadas dos " The Sopranos ".

Eu nunca na vida teria coragem de pedir a alguém que me desse uma prenda no valor de 239,95 euros, até porque não sei se mereço tanto, mas que fiquei a salivar por isto, lá isso fiquei.

Se pudesse, abdicava de todas as minhas prendas para isto. Se calhar, mais vale começar a comprar as temporadas todas, uma a uma, assim com calma para não doer muito no bolso e esquecer isto.

Mas que isto é a minha prenda de Natal de sonho lá isso é, até me viriam as lágrimas aos olhos.

PS: Esta segunda-feira a RTP2 deu o último episódio desta série. A minha primeira reacção àquele final foi de desconsolo, fiquei com uma sensação de vazio enorme, mas agora, mais a frio, digo que só poderia acabar assim, que era capaz de ficar mais revoltado se matassem o Tony Soprano ou a sua família, ou então, em alternativa, morrer como Júlio César, a personagem histórica mais parecida com ele. Mas, o que fica nisto tudo, é que agora sem Sopranos, as minhas segundas feiras vão ficar mais vazias.

No Last FM quando, por curiosidade, queremos ouvir a estação " artistas parecidos com...", por vezes temos algumas boas surpresas.

Na parte de " artistas parecidos com Sigur Rós" encontrei grupos muito interessantes, tais como o Múm, Pinback, Tristeza ou Mogwai, além dos consagrados Radiohead,Yo la Tengo e Bjork.

Mas um artista que me deixou de água na boca foi mesmo este, chama-se The Album Leaf e parece-me bom, pelo menos pela primeira amostra. A descobrir.

4 de dezembro de 2007

11 coisas do Porto

Hoje, 4 de Dezembro, faz 11 anos que a Zona Histórica da cidade do Porto foi elevada a Património Mundial, pela Unesco. Para comemorar pensei fazer um post com 11 coisas que gosto da cidade do Porto. Mas o Porto é tão fascinante que ficaram muitas outras coisas de fora.

Futebol Clube do Porto- Tentar definir o que sinto quando ouço o seu hino, quando vou ao Estádio e olho para aquele relvado e vejo aquelas camisolas azuis e brancas, ou quando grito por um golo importante ou até quando revejo a sua História vencedora sempre contra tudo e todos, é-me quase impossível. É muito mais do que uma paixão eterna.

Francesinhas - Seja no restaurante, ou feita em casa, obrigatoriamente acompanhada por uma "loirinha", picante ou menos picante, de todas as maneiras e feitios, sozinho ou com um grupo de amigos, a francesinha sabe sempre bem. Agora que falo delas, recordo-me que já não como uma à muito tempo, à muito tempo mesmo...

Jardins do Palácio de Cristal - Tenho a felicidade de trabalhar a dois passos do Palácio de Cristal, por isso todos os dias passo por lá. Seja na sua maravilhosa Biblioteca, onde me perco no meio dos seus livros, ou na esplanada daquele café escondido debaixo do Pavilhão Rosa Mota onde o sol reflecte nas mesas com um luminosidade única, ou até naquele cantinho que é só meu, são os jardins onde se tem uma visão inexplicável sobre o Porto e sobre a sua vizinha Vila Nova de Gaia. É o meu refúgio favorito e onde adoro perder-me nos seus caminhos labirínticos.

Coliseu - Uma sala belíssima onde já tive a felicidade de assistir a concertos inesquecíveis. O dos Humanos pela química alegre e divertida que se gerou entre o público e o grupo, pela excitação de estarmos a viver momentos únicos foi, certamente, o melhor que já vi.
Outros nomes que me ficaram na memória, Lamb, Beth Gibbons & Rustin Man, Rufus Wainright, os dois do Jorge Palma, Russel Watson ou espectáculos como o "My Fair Lady" ou um de tango onde teve a plateia mais bonita e sensual de todos os que assisti, tudo são boas recordações daquela sala encantadora.

Parque da Cidade- onde a cidade se espreguiça, seja a correr, a andar de bicicleta, tomar um café numa esplanada, jogar uma futebolada com amigos no relvado ou apenas um simples passeio para descontrair, aquela zona envolvente entre o Parque da Cidade e o Edifício Transparente é onde se respira o melhor ar puro da cidade.

Andar nos transportes públicos - Para conhecer uma cidade nada como andar nos transportes públicos. É ali que sinto o pulsar da cidade, as opiniões das pessoas mesmo que não tenhamos pedido nada, as suas experiências, as suas histórias de vida, ali onde se encontram velhos e novos para chegarem juntos ao seu destino. Destaco os autocarros pela intimidade que as pessoas ganham e o metro pela sua mobilidade e conforto, sendo a melhor coisa que aconteceu na cidade do Porto nos últimos anos, além dos títulos do FCP, pois claro.

S. João - A sardinha assada, as fogueiras, as músicas de baile que só se suportam ouvir naquele dia, o som dos martelos a baterem nas cabeças das pessoas, a alegria nos rostos de todos, os balões perdidos no céu, tudo isso e, principalmente, o aniversário da minha mãe, fazem que este dia seja muito especial para mim.

A visão do Porto de Vila Nova de Gaia. - Em qualquer altura, de qualquer lugar, a melhor visão do Porto encontra-se sempre na sua cidade vizinha.

A melancolia da cidade é única- Aquela luminosidade, ou a falta dela, torna-a uma cidade misteriosa, mágica, melancólica, perfeita para amores impossíveis ou não fosse nela que Camilo Castelo Branco mais sofreu por amor.

Caminhos históricos - As suas ruelas estreitas e graníticas, os cheiros a comida pronta a sair dos cafés, os tascos cheios de gente discutindo a vida, os sorrisos simpáticos das pessoas mais velhas sempre disponíveis para uma palavra, os miúdos a jogarem à bola no meio da rua, perder-se no Porto é perder-se na beleza da vida .

Poderia dizer mais 11 coisas, ou falar de mais 11 sítios mágicos, o Porto é tudo isto e muito mais, mas aquilo que mais admiro nesta cidade é a sua capacidade de apaixonar as pessoas por aquilo que ela é, ao ponto de se fazerem músicas como esta.



E tu ? O que gostas mais do Porto ?

3 de dezembro de 2007

Como definir o filme " Control " ?

Pela história da vida de Ian Curtis, pela sua doença ( que, por acaso, tive quando era pequeno ), pelas suas palavras depressivas, mas tocantes, pela sua música vibrante e intemporal, por tudo aquilo que o filme nos dá a conhecer, poucos serão os adjectivos para o tentar definir correctamente.

Vibrante, soberbo, extraordinário, incrível, são alguns adjectivos que a imprensa inglesa "colou" ao filme, eu diria, magnifico, belo, intenso ou apenas inesquecível.

Antes de o ver, estava indeciso entre o policial " Zodiac" e o maravilhoso conto de fadas " O Labirinto de Fauno" para filme do ano de 2007, mas acho que " Control" é, definitivamente, "o" filme de 2007.

Incompreensivelmente, distribuído em poucas salas do país, andou pelos cinemas quase em segredo, por isso necessitamos de recorrer a alguns meios não muito legais para o ver, mas, estou certo, que quando sair para DVD eu estarei na primeira fila para o comprar e rever vezes sem conta.

Inspirado na biografia de Ian Curtis, de nome " Carícias Distantes" escrita pela sua mulher ( escusado será dizer que já a comprei, assim como a antologia poética dele, num pack feliz onde por um bom preço levámos os dois livros para casa ), o filme conta a história da vida de um Mito, desconstruindo essa mesma imagem, mostrando-nos o seu lado humano, as suas mentiras, a sua infidelidade, a forma, cobarde diria eu, como "fugiu" à luta contra a sua doença, ao seu medo do sucesso, enfim, ao lado imperfeito que todo o ser humano possuí, mas que ficamos fascinados conhecer. Quem quiser ver o trailer carregue na imagem, e tentem não deixar que este filme vos passe ao lado.

2 de dezembro de 2007

Um fim de semana em imagens

29 de novembro de 2007

Acabei de ler um livro empolgante. Para quem gosta de História, mais concretamente de saber mais sobre a civilização romana, é um livro que satisfaz plenamente pela sua qualidade, principalmente de escrita.

Gostei bastante, muito bem escrito, ou não fosse Max Gallo um grande historiador, com capítulos curtos, com descrições muito precisas, nada de descrições longas, muito ritmado e acabamos com a sensação de encanto pela personagem principal e satisfeitos por termos acabado de ler um bom livro.

O próximo livro da série " Os romanos" é sobre Nero, uma personagem cruel mas fascinante para percebermos a razão do seu mal, e não tardarei muito a comprá-lo .

A minha próxima leitura é " Predadores" do escritor angolano Pepetela.

27 de novembro de 2007


Saiu à pouco tempo um DVD sobre a digressão que os Sigur Rós fizeram pela sua Islândia natal, actuando em lugares mais improváveis, como, por exemplo, uma fábrica abandonada ou até no meio do campo.

Com o nome de "Heima", "casa" em islandês, é um documentário de uma banda em digressão totalmente diferente daqueles que estamos habituados a ver, isto a confiar no que já li e no trailer, está recheado de imagens belíssimas de uma Islândia que ficamos com vontade de conhecer, além de vermos as reacções curiosas das pessoas a verem os concertos, isto, não esquecendo do elemento essencial, a particular e sempre bela música dos Sigur Rós.

Um " documentário-concerto" que me parece ideal para ver no Inverno, enroscado num cobertor, a beber um chá quentinho com uma boa companhia, com ouvidos apurados e olhos atentos. É favor carregar na imagem para ver o trailer e se deixarem encantar.

Site oficial do filme aqui , que tem um interessante photoblog e o da banda aqui.

26 de novembro de 2007

Saber a pouco

Novamente aqui durante um dia e meio. Adormecer com os pés quentes e acordar com o nariz gelado. Deitar muito tarde e levantar cedo. Passear com um tempo maravilhoso planeando já as primeiras compras de Natal. Esquecer a dieta durante um dia. Comer um arroz de marisco divinal. Tirar fotografias na galhofa com a mais pequenina. Brincar com ela e rir das suas brincadeiras e das suas respostas. Achar um sacrilégio ver os Simpsons a hablar español na televisão. Cantar os parabéns ao irmão mais velho que nunca tive, mas que nunca me deixou que sentisse falta de ter um. Planear mais uma visita num futuro próximo. Aproveitar o preço do gasóleo. E sentir o carinho e a amizade infinita daquela gente simpática e sempre bem disposta.

23 de novembro de 2007


Hoje apetecia-me decidir que a música do Jorge Palma ficasse só para mim. Ou melhor, que ficasse para mim e para mais alguns que lhe saibam dar o seu devido valor .

Apetecia-me que ele não tivesse sucesso, que fosse um segredo guardado entre alguns invejosos, entre eles eu, e que não o divulgássemos a ninguém, ou apenas a outros invejosos, como se fosse um código de honra que teríamos de cumprir .

O sucesso a um artista enche sempre muitas salas de espectáculos, dá-lhe muita fama e reconhecimento, permitindo-lhe até que ele faça um concerto com uma voz desgraçada que o trai completamente numa música impedindo-o de cantar, que se esqueça das letras e volte atrás como se não fosse nada, que esteja um minuto a dançar só para dizer uma palavra para terminar a música ou que brinque com o piano, mas também traz muito público " aparvalhado" que trata o artista como se ele fosse um bobo da corte e o desrespeitam, resumindo o concerto deles a apenas uma música para que eles possam tirar os seus telemóveis da geração mais adiantada e gravar esse momento para recordar, ou mandar bocas estúpidas para impressionar alguém do lado, ás vezes bem no meio das canções, estragando alguns momentos.

Mas o que interessa mesmo é que Jorge Palma soube contrariar o seu problema na voz da melhor maneira, conseguiu que o "outro público", o público mais conhecedor da sua brilhante obra, vibrasse, e não bocejasse, com momentos brilhantes proporcionados por si e pela sua banda, de destacar a música " Abrir o Sinal", para mim o segundo melhor momento da noite, com o seu filho Vicente Palma ao piano, " Valsa de um homem carente ", " Finalmente a sós" tocada como se fosse um grande hino rock'n'roll com o grande Flak a desbundar na guitarra, destacando ainda as mais conhecidas " Bairro do Amor" onde parte da letra ficou pelo caminho mas que teve a ajuda do público, " Frágil" e " Portugal, Portugal " tocados à boa maneira dum rock'n'roll bem esgalhado, e um final INESQUECÍVEL com a maravilhosa música " A gente vai continuar".

Como ele bem diz " enquanto houver estrada para andar, a gente vai continuar, enquanto houver ventos e mar a gente não vai parar " e nós queremos é que Jorge Palma nunca pare.

Porque Jorge Palma é tudo aquilo que se viu no concerto, é boa disposição, é simpatia, é um excelente músico, " brincando" no piano como só os maiores génios sabem brincar, é mais um copo, e outro, e outro ainda e não o levamos a mal se ainda for mais outro, é ter uma banda consistente e com músicos de luxo, é ver o seu sorriso de felicidade com o momento que estava a viver, é divertir-se ao máximo não se preocupando com poses, são as suas palavras, os seus silêncios, e são momentos como este, aquele que eu considero o melhor momento da noite, que me levam a sair feliz depois um concerto dele.


Eu quero reencontrar-te noutra esquina qualquer
Sem saber o teu nome ou se ainda és mulher
Quero reconhecer-te e beber um café

Dizer-te de onde venho e perguntar-te porquê
Sorrir-te cá do fundo, subir os degraus

Eu quero dar-te um beijo a 50 e tal graus

20 de novembro de 2007

" Amar silencioso porque não há alternativa.
No dia do Ruído o dia da Queda.
O meu Coração, afinal : um orgão ! "- Gonçalo M. Tavares in Investigações Novalis

Memorando: redescobrir a obra deste autor, agora que vai sair um novo livro da série " Livros Pretos", o quarto, vou aproveitar para reler todos os anteriores.

18 de novembro de 2007

Vesúvio Jukebox Special Tom Waits

Afinal não foi só ao Nuno Markl que lhe disseram que começaram a ouvir Tom Waits por causa dele !
No meu post sobre a minha ida ao teatro, o Loot deixou-me um comentário simpático sobre a influência deste blog para que ele começasse a ouvir esse grande ícone musical, confesso que fiquei orgulhoso por saber que estou a contribuir para o bem estar da humanidade.


A primeira música que ouvi deste génio foi também na rádio, e também nas ondas da Antena 3, mas foi no programa " Indiegente", de Nuno Calado, e na sua excelente compilação onde, além de Tom Waits, pontificavam os nomes de Ben Harper ( com uma arrepiante versão ao vivo de " Excuse Mr.") ,Placebo, Walkabouts ou Raindogs.

A minha primeira impressão ao ouvir "Get Behind the mule" foi logo de estranheza com a voz que acabara de ouvir, mas aquele ritmo envolvente e aquelas palavras tocavam-me forte, era bastante diferente do que ouvia na altura.

Depois houve um tempo onde o deixei num " cantinho esquecido", mas como as coisas mágicas têm um chamamento especial, recentemente, comecei a ouvi-lo cada vez mais e a fazer uma pequena promessa de que não descansarei enquanto comprar todos os seus álbuns ( olha eu a dar pistas à minha família para o Natal ) . É claro que tem de ser devagarinho porque tenho muito que desbravar na sua longa carreira.

Dizer que adoro a sua mistura de blues/jazz/rock, conjuntamente com as suas palavras fabulosas, é muito pouco para definir o que sinto quando o oiço, torna-se viciante ouvir aquela salgalhada de sons diferentes, por vezes estranhos, é sempre uma descoberta imensa, mais um som ou mais uma palavra, mesmo que já tenhamos escutado imensas vezes aquela música .

Posso dizer que estou a ter a mesma " relação" com a obra de Tom Waits igual àquela que tive quando comecei a ouvir Jeff Buckley, ou seja, uma " relação " intensa e para toda a vida.

Resolvi por isso que, esta semana, o " Vesúvio Jukebox" fosse, então, dedicado a este grande poeta, não com as músicas mais representativas da sua carreira, porque ainda tenho muito que desbravá-la, mas sim com algumas das músicas que me levaram a viciar na sua obra.

Já agora para os fãs que quiserem saber mais alguma coisa das suas palavras podem ir ao blog " Provas de Contacto ", do jornalista João Lisboa, e, mais um segredo, se quiserem arranjar os cd's dele a bons preços aconselho-vos a ir a uma loja que está muito na voga agora. É aquele que diz que tem aquela publicidade estúpida que afirma que os seus clientes não são parvos...

Playlist - Get behind the Mule
- ( Looking for ) The Heart of Saturday Night
- Who are you ?
- Lie to Me
- You can never hold back Spring
- Lowside of the road

17 de novembro de 2007

" O amor não se define. Sente-se." ( Senéca )

18:10 : Hora de saída. Entramos no elevador deixando para trás mais uma semana de trabalho, levo o saco de desporto ao ombro enquanto ele tira o maço de tabaco. Saímos do elevador e sinto logo o ar frio da noite que já se pôs à já algumas horas. Aperto o casaco até cima, ajeito, mais uma vez, o saco enquanto ele tira o cigarro, levando-o aos lábios e acendendo-o de seguida.

Olho-o de lado, sinto que me quer dizer algo, diferente do que falamos, que hoje não quer falar do trabalho que fizemos ou do trabalho que ficou por fazer, ou então da sua agenda para a semana seguinte.

Um carro sai do parque de estacionamento subterrâneo obrigando-nos a que o contorne cuidadosamente.

Dá uma passa no cigarro, enquanto eu me apresso a pôr as mãos nos bolsos para as aquecer, e então ele fala:

- Sabes...eu hoje, faço um ano de casado ! - disse-me timidamente e a sorrir.

Sorrio disfarçadamente, como se não soubesse. Lembro-me então do seu passado, do inicio da sua relação, das suas dúvidas, ou melhor das suas certezas ele nunca teve dúvidas, dos seus desabafos, do que esperava, do que planeava, da nossa longa conversa no trajecto Porto-Lisboa que uma vez fizemos e da sua confissão que ele falhara no amor, aconselhando-me para a vida, como um pai aconselha um filho.

- Ai é ? Parabéns !Então hoje temos festa ! - respondo-lhe todo sorridente.

- Mandei-lhe um ramo de flores. Falei com a nossa amiga Fátima e encomendei-lhe um ramo de rosas. Ela escreveu no cartão uma dedicatória que ditei.

- Ah ! Foi por isso que ela me telefonou a perguntar onde a sua mulher trabalhava. Não sabia se era no Notário ou se era no Registo Civil. Ela falou-me das flores mas...

- Ela adorou ! Acho que toda a gente de lá ficaram encantados com o ramo. Até a chefe que é mais macambúzia. Falou comigo ao telefone e estava emocionada - interrompeu-me ele.

Foi então que eu olhei para ele e digo-vos uma coisa: NUNCA vi uns olhos a brilharem daquela maneira. Por muitas palavras bonitas que escreverei para os definir, nunca conseguirei descrever de forma perfeita aquele olhar, aquela pureza de sentimentos, aqueles olhos grandes a brilharem de uma forma absolutamente fantástica.

Durante o resto do caminho, os olhos dele sempre brilharam quando falava dela, a sua voz esteve sempre embargada e o seu sorriso era contagiante.

Naquele trajecto entre o meu trabalho e o lugar de estacionamento do carro dele, parecíamos dois adolescentes, ele a falar da sua amada e eu sorridente e orgulhoso pela alegria de um grande amigo, que, por acaso, é meu chefe.

15 de novembro de 2007

Não acredito !!! Acabo de ouvir esta música numa rádio portuguesa, que não a Antena 3 e a Rádio Radar, ou outra rádio universitária !!! Foi na Rádio Nova e foi agora mesmo, na altura da playlist, entre uma música dos Pink Floyd e outra dos Azeitonas, não foi num programa de autor do Álvaro Costa !!! Uma rádio onde ainda passa música dos BAN e dos Jáfumega!!! E acertaram no nome da música e na artista !!! Milagre, eles sabem que ela existe ...

14 de novembro de 2007

Saudades de um gelado de Verão



12 de novembro de 2007


Excelente reportagem sobre as crianças escravas em Gana que vem na revista " Tabu" do semanário Sol .

Lê-se com um nó na garganta, olhos tristes e húmidos percorrendo palavras cruéis, ficamos emocionados ao ler os seus sonhos e com a alma envolta em revolta e indefesa por não conseguir nada fazer para mudar uma situação injusta.

11 de novembro de 2007


Nightingale ( ou quando as músicas falam por nós )




Nightingale
Sing us a song
Of a love that once belonged

Nightingale
Tell me your tale
Was your journey far too long?

Does it seem like
I'm looking for an answer

To a question I can't ask
I don't know which way the feather falls

Or if i should blow it to the left

All the voices that are spinnin' around me
Trying to tell me what to say
Can I fly right behind you

And you can take me away

9 de novembro de 2007

Recordo-me perfeitamente do dia em que li esta história pela primeira vez. Entre o cheiro a maresia e o barulho das crianças a brincar, encostei-me nas rochas da praia de Salgueiros à procura da melhor posição, e com o sol a bater no meu rosto devorei o livro durante a tarde inteira ficando encantado com as peripécias de Mário Jimenez, e a sua avassaladora paixão por Beatriz, e também com a sua grande amizade como grande poeta Pablo Neruda.

Ontem estreou no Teatro Campo Alegre, a representação da história de que falo :



...e posso dizer que adorei. Também eu gostava de ser poeta para tentar descrever a beleza da peça, daquele cenário onde se destacava um rádio igual àqueles que eu sempre sonhei ter, de como estava inquieto perante aquela imagem da praia e das ondas, do fumo do cachimbo que ficou no ar durante muito tempo e eu não tirei os olhos até vê-lo desaparecer, não há palavras para descrever tanta beleza . Se puderem, não percam, irão sair de lá, certamente, encantados.

PS: Hoje disseram-me que tinha os olhos a brilhar. " É do sono, eram 2 e meia e não sei o que tinha. Não conseguía dormir ". Apesar disso ter sido verdade, não era a verdadeira razão. A razão é que ainda tenho nos meus olhos o reflexo do teu brilho. Obrigado pela companhia, pelo teu sorriso como agradecimento ( para mim isso basta...) e o teu visual está encantador como sempre.

7 de novembro de 2007

Um golo como lição de vida ( ou como dei graças a Alá por uma vez)

Devemos encarar os problemas na vida como o golo do Sektioui: pegamos nele, enfrentamos com peito feito, cheios de confiança, saltamos por cima, passamos pelo meio das dificuldades, deitámos o último obstáculo e arrumamos o assunto com convicção, mesmo que isso possa doer a muita gente.



6 de novembro de 2007

Página 161 ( o desafio )

O Hugo e o Carriço nos seus blogs convidaram-me para um desafio que anda a correr toda a blogosfera: o desafio da página 161.

As regras são simples : pegar no livro mais próximo, abrir na página 161 e fazer um post, ou pelo menos deixar a frase na caixa de comentários.

O livro que estou a ler, " Viagens no Scriptorium" de Paul Auster só tem mesmo 115 páginas, por isso recorri à minha próxima leitura.
Depois dalgumas dúvidas se a frase anterior contava mesmo como uma frase ou se era apenas o complemento de uma outra, no próximo livro que irei deitar os olhos e as unhas na página 161 só tem mesmo 5 frases, sendo que, a última frase reza assim :

"De repente, o vento levanta-se e transporta até às muralhas da acrópole de Cumas o odor do fogo e das vergônteas ainda quentes e incandescentes ." ( o livro é " Espártaco - A revolta dos escravos", da série " Os Romanos" de Max Gallo, um livro de um grande historiador sobre o império romano, estou em pulgas para começar a lê-lo ).

A seguir tenho que passar a outros 5 bloggers, e aí é que fico chateado porque não discrimino ninguém e quem quiser poderá fazer isso na caixa dos comentários. Mas como não quero ser o responsável pela quebra da corrente, aqui vai:

- Catarina ( anda lá,please. Surpreende-me com a tua frase escolhida ...)
- Loot ( porque não, um frase de um livro de BD ? )
- Wasted Blues ( ...ou um livro de cinema ??? )
- Desnorteada ( vê lá se pões uma frase bonita e cheia de força e esperança ;) )
- Canochinha ( lembro-me que a Miss Alcor já respondeu a este desafio, por isso não a desafiei, a não ser que ponha na caixa dos comentários, mas tu ? Se já respondestes, volta a responder :) )


5 de novembro de 2007

Continuo a pensar que aos domingos à noite o que vale a pena ver é isto


Vejo esta série sempre com um misto de fascínio, porque é História e eu adoro História, e sempre de sorriso nos lábios porque ela é muito divertida, estamos sempre na expectativa no resultado daquelas peripécias todas.

O melhor elogio que podem dar a esta série foi feito por um crítico de televisão, ele afirmou "que esta série deveria ser mostrada nas escolas". Digo mais, deveria ser vista por toda a gente .

4 de novembro de 2007

Vesuvio Jukebox

Finalmente, já tenho música no blog e a partir de agora, todas as semanas, irei inserir 6 músicas para quem entra neste cantinho.

A primeira playlist da " Vesuvio Jukebox" é a seguinte :

- " When Under Ether" - PJ Harvey

- " Lover, You should've come over" - Jeff Buckley

- " A Sunday Smile" - Beirut

- " Mysteries" - Beth Gibbons & Rustin Man

- " Son of Sam" - Elliot Smith

- " Together " - The Raconteurs

2 de novembro de 2007

Porreiro, pá ! Dá cá um cumprimento.

31 de outubro de 2007

COISAS DE OUTONO

Sair de casa a apertar o casaco até cima. Mãos geladas nos bolsos. Cachecol enrolado no pescoço. Chegar a casa e calçar, sem demora, as minhas pantufas. Enroscar-me no pijama de flanela. Segurar a caneca com chá/capuccino com as duas mãos para as aquecer e beber relaxadamente. Comer castanhas assadas quentinhas. Comer romãs polvilhadas com um pouco de açúcar.Ver filmes deitado na cama, pela madrugada adentro, coberto até ao pescoço. Adormecer a ouvir o som da chuva a cair. Ler o jornal e beber, ao mesmo tempo, o café da manhã nos dias de fim de semana...

e ouvir este álbum. Onde as imagens, os sons, os cheiros e os sabores que nos oferece inebria o nosso corpo frio e nos aconchega a alma. Não há nada como o Outono para ouvir esta música.


Sand River ( autoria de Paul Webb ( Rustin Man) e interpretada por Beth Gibbons & Rustin Man no álbum " Out of Season")


Autumn leaves
Beauty's got a hold on me
Autumn leaves
Pretty as can be

Everybody knows this time
Shadows are drifting in silence
Where lost can't be found
Everybody knows this time

You'll get by
Move it on and let fate decide
And those water-coloured memories
Soft as a summer's breeze
You're as pretty as can be

Knowing now you'll never fake it
Whether my oceans divide
I'll try to understand this
But everybody knows this time

Autumn leaves
Beauty's got a hold on me
Autumn leaves
Pretty as can be

Everyone can see
Everyone except me

Autumn leaves
Beauty's got a hold on me
Autumn leaves
Pretty as can be
Pretty as can be

29 de outubro de 2007

Traduzido com o estúpido título de " Um azar do caraças", a comédia " Knocked up", com Katherine Heigl ( conhecida pela sua participação em " Anatomia de Grey" ) e Seth Rogen é muito mais do que uma comédia simpática.

É uma comédia entusiasmante, muito divertida e, ao mesmo tempo, muito inteligente, fazendo pensar nas relações entre os casais com feitios diferentes e naquilo que eles abdicam na sua vida em prol da felicidade do seu companheiro(a).

Já à algum tempo que não via uma comédia tão boa como esta, aconselhável a toda a gente, com a garantia de passarem um bom momento sempre de sorriso nos lábios.



28 de outubro de 2007

Changes

Este blog está em mudanças. É possível que, nos próximos tempos, ainda uma ou outra mudança surja mas, para já, o essencial já está mudado. Pelo menos até me fartar de o ver assim, coisas de Gémeos, dizem que não suportam rotinas...

26 de outubro de 2007

encantamento- acto ou efeito de encantar;
magia;
sedução;
fascinação;
coisa maravilhosa, encanto;
tentação. ( in Dicionário On-Line Português )

25 de outubro de 2007

Embora não acredite muito nisso, vou sempre espreitando o meu signo no jornal sendo que, por vezes ele, pasme-se, até coincide com algumas fases da minha vida.

O de ontem dizia uma coisa mais ou menos assim :

" Existe alguém que está desesperadamente a querer contactar consigo, enviando-lhe sinais. Esteja atento."

Pois, o meu problema sempre foi esse: sou muito distraído.

24 de outubro de 2007

Como um pequeno gesto pode mudar a vida de uma pessoa


23 de outubro de 2007

Clara, curta e concisa

Uma das primeiras regras que aprendi na escola secundária, no curso de Comunicação, foi que uma noticia tem de ser clara, curta e concisa.

É exactamente isso que encontramos, todos os dias, no " Jornal da 2", em contraste aos telejornais de todos os outros canais públicos .

As principais notícias nacionais, internacionais, sem doses industriais de futebol, uma curta entrevista com pessoas interessantes como escritores, músicos, gente do teatro, etc, e no final uma agenda de CULTURA , tudo isto num ritmo vivo, sóbrio e bem apresentado.

A ver para quem quer saber o que se passa no mundo e não pode perder mais do que 30 minutos.

22 de outubro de 2007

Compra de fim de semana: " Mule Variations " de Tom Waits



" A personagem-Tom Waits? Rouba-se um bocadinho daqui, outro dali. Umas coisas velhas, outras novas, um farrapo de pano azul, o chapéu do pai, a roupa interior da mãe, a moto do irmão, os tacos de bilhar da mana e aí vamos nós. Quer dizer, sou o Frank Sinatra ou o Jimi Hendrix? Ou o Jimi Sinatra? Claro que sou ventríloquo como todos os outros. Ninguém se rala se estamos a dizer ou não a verdade. No nosso ramo de actividade, não me parece que isso seja muito importante. As pessoas só querem que lhes contem alguma coisa que não saibam já. Façam-nas rir ou chorar, não interessa. Se estamos a ver um filme muito mau e alguém nos diz 'Sabias que é baseado numa história verdadeira?' será que o filme deixa de ser mau? Sei lá o que é a verdade... Quantos alemães são precisos para mudar uma lâmpada? Quantos espermatozóides há numa única ejaculação? Quatrocentos milhões. E custa muito a acreditar que nós todos somos os que ganharam a corrida, não custa? " ( citação de uma entrevista de Tom Waits retirada deste blog )

21 de outubro de 2007

Desde a seu origem que a Humanidade questiona algumas coisas no Universo. Quem somos ? De onde viemos ? Para onde vamos ? Se o destino está escrito, ou somos nós que o escrevemos ? Ou então, a pergunta clássica de sempre: quem nasceu primeiro ? O ovo ou a galinha ?

Mas a pergunta que eu mais adorava ver respondida é:

Porque raio tenho de comprar uns auscultadores quase todos os meses para o meu mp3 ?

19 de outubro de 2007

Entre um esboçar de cansaço e um agitar de corpo nasceu um desejo interior de que tenho que descansar mais. Parecendo que estava a adivinhar o meu pensamento, apareceu-me a razão do meu cansaço nas colunas do meu pc



E recordei-me da primeira vez que ouvi aquele som tão diferente, tão único, tão jazz ( - mas não é jazz, explicou-me o meu amigo ), tão blues ( e eu que venero blues ), tão rock ( - mas não é bem rock- dizia ele ), tão mágico.

Da sua figura gigante a falar tão apaixonadamente enquanto fazia um rewind no seu leitor de K7's, agora até seria mais fácil amigo, já nem é necessário fazer rewinds e fast-forwards, nem sequer temos de decorar de que lado está aquela música que queremos mostrar num instante enquanto não toca para irmos para dentro daquela sala tentar construir o nosso futuro.

Recordei-me eu, adolescente com cabelo desgrenhado e sonhos do tamanho do mundo, da minha tristeza quando abri o " Blitz", naquelas terças feiras onde só o " Blitz" era o único assunto possível, e li que aquela voz tão encantadora teria se calado para sempre em pleno concerto, e do sentimento de injustiça e de revolta que senti.

Daqueles almoços da malta do secundário toda junta, nas traseiras daquele supermercado em plena Avenida da Boavista ( cada vez que passo por lá ainda sorrio a recordar-me daqueles momentos), do convívio que se gerava ao som da música dos Morphine, e de outros grupos também, da amizade que estava a brotar e se iria desvanecer com o tempo porque a vida separou os nossos caminhos , das nossas discussões futebolísticas e politicas sempre acaloradas mas que terminava sempre com sorrisos .

Recordei-me também desta música, uma das últimas que a genialidade de Mark Sandman deu a conhecer ao mundo



E recordei-me que já à muito tempo que não ouvia falar deles, que não sentia o coração tão aconchegado com as suas palavras, que eles são intemporais e que a sua obra genial nunca se desvanecerá e será para sempre recordada . Alguém aí sente o mesmo ?