22 de outubro de 2010

"Histórias com gente dentro"

 

Afinal ainda há esperança para encontrar na televisão alguma coisa que nos entusiasme, ou simplesmente, que nos marque. 

Na SIC deu o programa de reportagens "Histórias com gente dentro" sendo o tema desta sexta feira o " meu amor". Foi das reportagens mais bonitas, mais emocionantes que, ultimamente, tenho visto na televisão, principalmente quando estamos num tempo onde todos os telejornais, e não só,  dedicam uma boa parte a destilar tanto pessimismo e tanto cinismo para as dificuldades que o povo português vai passar no próximo ano. 

Uma reportagem digna, sem cair no lado mais fácil, e tentador, da lamechice, aqui vemos o amor no seu estado puro, mas também vemos a solidão,  vemos o amor a coisas fisicas, o amor que se compra, o amor saudoso, o amor a uma coisa/causa, o amor perdido, o amor (re)encontrado, a partilha do amor, o amor religioso, o amor à moda antiga, o amor à moda moderna, o amor virtual, o amor pela luta da vida e quando estamos de sorriso aberto com tantas lições de esperança e de júbilo, quando julgamos que a vida é só flores, apesar de alguns espinhos pelo meio, eis que levámos com um verdadeiro soco no estômago com  a Regina que diz, sem hesitar, não acreditar no amor porque nunca teve nenhum carinho, mostrando-nos o verdadeiro "outro lado" do amor.  È de perder 27 minutos da vossa vida e ver aqui. Vale bem a pena.

2 comentários:

Madrigal disse...

Ainda bem que há pessoas como a Regina, que apesar de terem passado por um inferno, ainda acreditam que podem ser felizes. Mas pelas palavras dela acho que ela não acredita que pode ainda encontrar um amor que a faça feliz... apenas acredita numa forma qualquer de felicidade, o que demonstra que a esperança é a última a morrer.
ainda bem pela internet que nos deixam ver o que perdemos na tv.

tonsdeazul disse...

Gosto destas reportagens da SIC. Têm um trabalho por trás muito bem feito, o que se reflecte num trabalho final de excelência!
Esta tocou-me em especial por ter a participação de uma pessoa amiga que muito admiro, Alberto Melo.