18 de junho de 2008

A essência do mal

"É extraordinário como um ser humano reage da mesma maneira que o cão do vizinho "

Se algum dia, um sábio chegasse à minha beira e me perguntasse quais seriam as perguntas que mais gostava de serem respon
didas, eu não hesitaria e perguntava logo : o que leva ao ser humano fazer o mal ? E o que leva o ser humano fazer o bem ?

Mas é, essencialmente, no que leva a fazer o mal que mais tenho curiosidade em tentar compreender. O que leva alguém a fazer mal aos outros, fazer coisas, por vezes tenebrosas, a outras pessoas apenas e só por razões fúteis, ás vezes, só mesmo por diferença de opinião, e depois continuar a viver a sua vida naturalmente.

É por isso que os livros que mais quero ler são " As Benevolentes" de Jonathan Littell, que conta a história de um oficial nazi, que pratica o mal, mas sempre sem arrependimento e ainda por cima tem gostos culturais dos mais nobres possíveis, e também a biografia de Mengele, o médico oficial nazi que fazia experiências cientificas tenebrosas com os judeus, principalmente com os gémeos. Já agora, se alguém quiser acrescentar um livro, dentro da mesma perspectiva, ou seja da perspectiva de tentar compreender o mal, até numa vertente sociológica, esteja à vontade.

Falo disto, porque, nesta Feira do Livro que terminei, comprei, a preço de saldo, um livro onde tem muito a haver com aquilo que falei. O livro é este


" Maus " é uma BD fabulosa, da autoria de Art Spiegelman, e conta a história de um judeu que sobrevive à 2ª Guerra Mundial, que esteve em Auschwitz ( aqui traduzido para Mauschwitz) e que conta a história da sua vida ao seu filho
Mas, e é aqui que reside a magia da obra, os judeus são retratados como ratos e os nazis como gatos . Ou seja, vemos gatos a maltratar ratos, e como o rato é por si só uma animal repelente, ficamos incomodados. Este é daqueles livros que incomoda mesmo, que mexe connosco, já ver ratos é horrível, então a vê-los sofrer ainda mais, por isso, a sua mensagem passa de forma brilhante.


Tem um argumento muito bem conseguído, a frase em cima é deste mesmo livro, graficamente é muito bom, apesar de os desenhos até serem simples.

O livro que comprei é apenas a 2ª parte, na altura em que comprei não me apercebi que teria uma primeira, por isso vou ter de a comprar, mas, mesmo que tenha tido acesso à história completa, deu para ficar um enorme fã desta BD. Aconselhável a toda a gente, quer gostem de BD ou não.

3 comentários:

looT disse...

Vencedor do Prémio Pullitzer!!!!!!!!!
(não me canso de o dizer como já reparaste :P)
Tenho-o aqui para ler completo (agora para meter inveja eheh)


Quando dizes "um oficial nazi, que pratica o mal, mas sempre sem arrependimento e ainda por cima tem gostos culturais dos mais nobres possíveis"

As pessoas mais cruéis e capazes do pior muitas vezes são do mais intelectual possível.


Em relação ao outro médico deve ser um livro fascinante até porque segundo sei ele aprendeu muita coisa, mas a que custo?
Num nível muito mais pequeno (não estou a comparar com o médico Nazi que foi infinitamente pior) temos a história da erradicação da Varíola pela parte de Edward Jenner, que arriscou infectar uma criança com uma estirpe do vírus e descobriu a vacina tornando-se num dos maiores casos de erradicação de uma doença. Agora imagina que ele falha e a criança morre afinal ele fez um teste num ser humano. Se fosse nos dias de hoje tava tramado.

Abraço

Maria del Sol disse...

Confesso a minha ignorância no que diz respeito ao universo da BD, mas fiquei curiosa quanto a este título. Tenho de o folhear se me cruzar com ele, parece colocar questões bastante pertinentes. :)

Beijinhos.

Carriço disse...

As Benevolentes. Uma maratona, atendendo à minha disponibilidade de leitura nestes dias. Ainda assim fascinante, até ao momento. Também refere muito a circunstância, como delineadora das acções.
Quanto à BD... sou mais um dos que pouco ou nada sabe dizer. Talvez um dia me debruce sobre o género, mas a lista de livros que apetece ler é tão extensa...

Abraço!