13 de junho de 2008

120 anos de genialidade


Se, depois de eu morrer...

Se, depois de eu morrer, quiserem escrever a minha biografia,
Não há nada mais simples.
Tem só duas datas --- a da minha nascença e a da minha morte.
Entre uma e outra todos os dias são meus.

Sou fácil de definir.
Vi como um danado.
Amei as coisas sem sentimentalidade nenhuma.
Nunca tive um desejo que não pudesse realizar, porque nunca ceguei.
Mesmo ouvir nunca foi para mim senão um acompanhamento de ver.
Compreendi que as coisas são reais e todas diferentes umas das outras;
Compreendi isto com os olhos, nunca com o pensamento.
Compreender isto com o pensamento seria achá-las todas iguais.
Um dia deu-me o sono como a qualquer criança.
Fechei os olhos e dormi.
Além disso fui o único poeta da Natureza.( Alberto Caeiro, heterónimo de Fernando Pessoa )


À 120 anos atrás nascia Fernando Pessoa, o maior poeta português . Veja algumas das comemorações desta efeméride, um pouco por todo o país, aqui.

4 comentários:

Nelumbo nucifera disse...

"A noite não anoitece pelos meus olhos,
A minha ideia da noite é que anoitece por meus olhos.
Fora de eu pensar e de haver quaisquer pensamentos
A noite anoitece concretamente
E o fulgor das estrelas existe como se tivesse peso."

Ocorrem-me nomes como os de Carly Simon e Tina Turner... "Nobody Does It Better" e "Simply the Best". ;)

looT disse...

Um muito obrigado a Pessoa por tudo que nos deixou ele era como dizes genial.

Abraço

Carriço disse...

Pessoa, para quem não o conheceu, não nasceu no dia em que nasceu. Também não morreu. Nasceu no dia do primeiro escrito e ficará vivo neles para sempre. Eterno.

Saudações

Menphis disse...

Todos estamos de acordo: ele era o maior e a sua obra continuará a ser eternamente recordada.