1 de fevereiro de 2009

Dos regressos ( o melhor deles )

Numa altura onde na cena musical aparecem vários regressos que convêm destacar, como por exemplo, os sempre freneticamente viciantes Franz Ferdinand, ou o regresso mais luminoso de Bon Iver ou do regresso de Antony, agora mais virado para a natureza, existe um grande regresso que me apetece destacar particularmente: Andrew Bird.





Nos tempos de melancolia que se vivem, da chuva a bater nas janelas, da falta de vontade de fazer alguma coisa, das mãos frias, do tempo aborrecido, da necessidade de descanso, o novo álbum surge-me como um aconchego reconfortante que não quero largar durante muito e muito tempo. Perfeito, da primeira à última nota.

4 comentários:

Pedro disse...

Oh, os Franz Ferdinand vão voltar?

Não é das minhas bandas preferidas, mas adorava continuar a ouvir o seu trabalho...

Carriço disse...

Acho que, depois de ter escrito que Andrew Bird é o meu génio vivo preferido, pouco me resta a acrescentar, não?
O álbum está excelente!!

Abraço

Tânia disse...

Mais um que terei de ouvir. Urgentemente ;)

Mojo Pin disse...

O meu preferido, já o tenho a tocar no carro*