17 de março de 2008


As frases anteriores aparecem no livro que aproveitei para o terminar de ler neste fim de semana pachorrento.
Gosto da escrita de José Eduardo Agualusa. Gosto da sua simplicidade, das suas histórias, das suas crónicas que me levam a comprar o Público aos domingos, dos seus contos de viagens, enfim, gosto de o ler.
Dizem-me que é literatura light, mas como não tenho o hábito de pesar os livros que leio, nem de os catalogar como se fossem meros produtos de hipermercado, prefiro dizer que a escrita de Agualusa é de uma beleza simples que me transporta para uma África que me dá uma imensa curiosidade de conhecer.
"As mulheres do meu pai", transporta-nos para Angola, para África do Sul, para Lisboa, para a vida, para os sonhos realizados, ou até para os sonhos impossíveis de realizar, é um conjunto de histórias mas que ao fim e ao cabo apenas é uma só, uma só vida fantástica contada por muita gente como se fosse um filme e a sua banda sonora fosse música jazz. Aconselhável.

5 comentários:

Maria del Sol disse...

Apesar de ter lido com bastante agrado há uns tempos atrás (já não me lembro em que revista) a crónica que ele assinava, nunca li nenhum livro. Assim que puder hei-de folhear também os livros. Fiquei curiosa :)

Ema disse...

Nunca li Agualusa. Mas não posso deixar isto arrastar-se. :) ele parece muito bom, pelos excertos que tenho lido.

H4rdDrunk3r disse...

Tb gosto bastante do Agualusa já há uns anos, desde os bons tempos da XIS, onde ele escrevia alguns textos deliciosos.

=)

Temos tão bom gosto, para carros e para leituras!!

Menphis disse...

maria del sol e ema - Comecem a ler as suas crónicas e depois vão para os livros. Tem bons livros, é um grande contador de histórias.

h4rddrunk3r - poucos têm bom gosto como o nosso. Não sei é se tu me ganhavas uma corrida ;) fica o desafio:)

looT disse...

Também vou dar uma vista de olhos ;)

Abraço