1 de setembro de 2009

Sacana de génio em 5 factos


Facto I: Não é fácil ver Tarantino. É necessário ter estomâgo e alguma força, principalmente psicológica, para aguentar os vários momentos de tensão ( por vezes, estamos longamente à espera que qualquer coisa aconteça) que ele nos vai oferecendo ao longo dos seus filmes. Mas é quando saimos da sala de cinema que damos por nós a sentir falta da sua tensão viciante.

Facto II: Tarantino cria planos fabulosos, daqueles em que, se tivessemos a ver num DVD ficávamos tentados em pausar a imagem e repetir. Nos seus planos tudo é perfeito, principalmente os olhares e as palavras. Ler o argumento é obrigatório.

Facto III - Tarantino nem necessitava de Brad Pitt para nada, apesar deste estar muito bem. Christoph Waltz toma conta da tela inteira. Ele é aquela personagem que nos habituamos a ver à lá Tarantino.


Facto IV -Ouvir David Bowie quando a "vingança" começa a nascer é qualquer coisa de outro mundo. Quase apetece entrar na tela e participar nela.


Facto V - " Talvez esta seja a minha obra-prima" diz Aldo ( Brad Pitt) ao seu companheiro na frase que fecha o filme. Espero que não, que o futuro ainda a traga mas que ficou lá muito perto, lá isso ficou.


3 comentários:

dolphin.s disse...

tão, mas tão bom!

não sei se resisto a enfiar-me na sala outra vez :D

Menphis disse...

ora aí está uma coisa que também pensei..há sempre qualquer momento de génio que nos escapa.:)

dolphin.s disse...

pois :S

e pensar que se perde alguma coisa daquela Master Piece :D

como diz o outro: practice makes perfection. era ir até saber de cor :P